sexta-feira, 16 de novembro de 2012





Quando sinto que estou forte, me aparece você com tudo aquilo que eu mais abomino. Me sinto afundar novamente e não tenho a tua mão para me tirar dessas águas escuras que me levam ao fundo, mas eu já sabia que nunca mais voltarias e que eu precisava seguir sozinha, então por que apareceu? E por que tens que ir assim tão rápido, sem explicação ou justificativa? 
E sempre toca a mesma música que repete e repete como num disco riscado, como um vicio ou sei lá o que. Sabe, você deveria voltar a ser forte, mas o que acontece? A paciência já é pouca e ninguém ajuda... e quem me ajudaria? Alone. 
É, essa palavra me cai bem, seja em qual for o idioma... allein, وحده, alene, solo, alleen, μόνος. E sabes por que? Acho que bem no fundo de cada um de nós é isso mesmo que somos! 
As pessoas não gostam de se sentirem assim, mas não pensam que talvez você, goste menos ainda. As coisas são engraçadas e cruéis ao mesmo tempo. Tem gente que condena pessoas que matam, e você, não mata alguém todo dia um pouco? Isso ninguém olha, nem mesmo você... 
O caminho parece sempre maior que imaginamos, mas nada como caminhar mesmo assim. 

Vontade de correr, já sentiu isso? Com o peito ardendo e as lágrimas banhando seu rosto e tentando lavar tudo e de nada adianta? Pois é... acho que farei isso! 
E se tivesse direito a um só desejo, queria o céu bem escuro de nuvens carregadas de chuva e no momento que meus pés tocassem o lugar certo, essas poderiam se desmanchar fazendo a estrada ideal para voltar para casa. 





What do you feel when you look in the mirror?


domingo, 12 de agosto de 2012





Sinto meu corpo arder e não é de desejo. Sinto minha cabeça doer...
Será que tem algo de errado comigo? Será que ser assim como sou é crime? 
Se for me prendam por cuidar dos meus amigos ao meu jeito, me prendam por amar incondicionalmente...

É mais fácil reclamar que eu estou errada, quando você também faz isso, só que sem pensar que você poderia estar no lugar dessa pessoa. Até porque inconsequentes, compreendem inconsequentes.

sexta-feira, 6 de julho de 2012





A cabeça quer explodir, mas as músicas aliviam a dor do coração. As gotas de chuva caem sobre mim como ácido e me levam a medida que escorrem pelo meu corpo... pra onde? 
Não sei.
Só sei que aqui eu não fico mais!




"Asas fracas não me deixam voar" - Se essas paredes falassem (DOD)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012